InícioInício  CalendárioCalendário  FAQFAQ  BuscarBuscar  MembrosMembros  GruposGrupos  Registrar-seRegistrar-se  Conectar-se  
Conectar-se
Nome de usuário:
Senha:
Conexão automática: 
:: Esqueci minha senha
Últimos assuntos
» MvP Naght Sieger
por Victor Dom Jul 24, 2016 4:25 pm

» TS clã valor
por Victor Dom Jul 24, 2016 4:22 pm

» Torre Sem Fim [24/07]
por Victor Sab Jul 23, 2016 7:49 am

» SS's Aleatórias
por Hidan Miles Qua Jul 20, 2016 2:32 am

» SKIN NOVA para o RAG
por Tibeto Qui Jul 07, 2016 10:08 am

» Atualização 05/07
por Tibeto Ter Jul 05, 2016 8:45 am

Quem está conectado
1 usuário online :: Nenhum usuário registrado, Nenhum Invisível e 1 Visitante

Nenhum

O recorde de usuários online foi de 22 em Dom Abr 07, 2013 11:24 pm
Top dos mais postadores
Tibeto
 
Darte Sky
 
Luiz Gomes
 
Hidan Miles
 
isabellf
 
Rebus
 
Victor
 
SynChrO
 
Nina
 
dianalf
 

Compartilhe | 
 

 A jornada de Ahura Mazda...

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo 
AutorMensagem
Convidad
Convidado



MensagemAssunto: A jornada de Ahura Mazda...   Dom Maio 27, 2012 10:05 am

CAPÍTULO 1 - Quando o coração conhece o ódio...

Muitos dias se passaram após o acontecimento que mudaria a vida de Ahura para sempre, ele ainda não conseguiu entender o porque de tudo aquilo, tudo que ele sabia era que Toshio com certeza estava procurando por ele e ao lembrar de seu pai, a dor tomou conta de seu coração e ele desejou que tudo fosse apenas um sonho, mas não era...

- Acorde, vamos logo! Chamou uma voz forte do lado de fora da cabana

- Já vou Akinori... Diz Ahura insatisfeito enquanto se levantava

- Mestre Akinori! Grita o homem

- Que seja! Diz Ahura com a voz baixa enquanto vestia suas roupas

Akinori ou mestre Akinori como gostava de ser chamado, esse era o nome do homem que tirou Ahura da guilda de Prontera, um homem alto e magro, onde os vestígios de batalhas marcavam todo seu corpo, principalmente seu rosto, era de poucas palavras, sério e estúpido, desde o primeiro dia deixou bem claro que a vida de Ahura dali em diante seria um verdadeiro inferno, e assim foi...


- Coma logo e comece a arrumar tudo, você tem muito trabalho hoje antes de seu treino! Disse Akinori enquanto se sentava em um banquinho frágil de madeira á porta da cabana

Ahura pega um sanduíche de aparência mofada e dá uma mordida, estava muito ruim, tão ruim que o fez engasgar e jogar o sanduíche para longe.

- Droga! Diz ele enquanto tossia e se esforçava para não vomitar

Akinori se levanta rapidamente e vai até Ahura, segura o braço dele com força e chega sua face assustadora perto o bastante para que Ahura sentisse seu hálito e conseguisse ver em seus olhos a mais pura maldade...

- O que você está pensando, desperdiçando comida! Grita ele puxando Ahura tão forte que ouviu-se um estalo vindo de seu ombro

- Isso não é comida...me solta você está me machucando! Grita Ahura tentando correr

- Vai aprender a comer tudo que eu te der garoto mimado! Grita mais alto ainda Akinori

- Coma você seu idiota! Grita novamente Ahura

PLAFT!

Akinori dá um tapa na cara de Ahura e se vira como se tivesse feito a coisa mais normal do mundo...

- Vai ficar três dias sem comer, para aprender a respeitar o que lhe é dado! Diz ele enquanto se sentava calmamente em seu banquinho ao lado de fora da cabana

Ahura sente gosto de sangue, seu ombro estava dolorido, mas não era a primeira vez que Akinori batia nele, na verdade, Ahura já estava se acostumando, também não era a primeira vez que ele ficava sem comida, desde que foi levado para lá, ele só foi maltratado, trabalhava como escravo, limpar a cabana, fazer entregas, caçar e lutar contra animais eram só algumas das centenas de tarefas que ele fazia como "parte de seu treinamento", e ele não podia errar, porque erros não eram aceitos, e toda a retribuição que ele recebia era a humilhação de apanhar na cara e a abstinência de comida e água, e Akinori não se importava, Ahura precisou aprender sozinho a cuidar de seus ferimentos, pois caso contrário, sua pele iria apodrecer junto com o resto de seu corpo, e foi assim pelo resto dos dias que se seguiram...




Alguns meses depois...

- Mainyu...Angra Mainyu...Mainyu... Dizia Ahura em voz baixa enquanto amarrava uma faixa em suas mãos machucadas, resultado de mais uma desobediência contra Akinori, que o obrigou a recolher algumas ervas venenosas por horas a fio.

"...Tudo que você tem que fazer agora é se lembrar desse nome...Mainyu...Angra Mainyu..."

- Mainyu...Mai...nyu... Continuava dizendo enquanto suas mãos queimavam

" Essa pessoa é a culpada de tudo isso, do sofrimento de seu pai, da separação de vocês dois e de tudo que você vai sofrer de agora em diante..."

Ahura lembrava-se bem, essa frase e esse nome, tomavam conta de sua mente todos os dias, ao mesmo tempo que o ódio completava cada parte de seu corpo, seus olhos estavam cada vez mais fixos em um objetivo, um desejo de vingança que ele jurou alcançar...

" Isso mesmo garoto..." Pensou Akinori enquanto estava sentado a um canto da cabana, segurando a garrafa de um vinho que saboreava enquanto estava atento a tudo

" Odeie Mainyu, odeie com todas as suas forças, deixe essa raiva crescer como uma aura ao seu redor, uma energia que deve destruir tudo que ficar em seu caminho..."

Ahura começa a chorar em silêncio, suas lágrimas faziam seu rosto queimar mais do que suas mãos machucadas, ele estava exausto, seu corpo estava dolorido, suas roupas eram sujas e não mostravam respeito algum, seus cabelos estavam crescendo e escondiam seus olhos azuis já sem brilho, suas mãos ainda latejavam, quando ele olhou em direção ao céu e viu que a lua não estava lá, nem as estrelas, ele percebeu que aquela era apenas mais uma noite fria e escura, um pequeno esboço do que se tornaria seu coração...




Sete anos depois...

Muitos anos se passaram, Ahura já com seus 17 anos se tornou um cavaleiro forte e habilidoso, de sangue frio, não tinha medo de matar, nem de morrer e devido a isso ganhou certa fama e respeito por aceitar e concluir alguns trabalhos suicídas dos quais tirava um pequeno lucro, mas mesmo depois de todos esses anos, seu coração continuava frio e amaldiçoado por aquele desejo de vingança e pela idéia de que seu pai poderia já não estar vivo, mesmo com sua força, Ahura ainda estava sob os cuidados de Akinori, que o maltratava e o fazia de escravo desde a primeira vez que colocou as mãos nele, e Ahura já estava cansado disso...

- Onde você estava?! Perguntou Akinori grosseiramente ao ver Ahura entrando na cabana

- Não interessa... Disse Ahura sem olhar para Akinori, enquanto se sentava calmamente em uma cadeira

- Como ousa falar assim comigo?! Pergunta Akinori com raiva

Ahura dá apenas um breve olhar em direção a Akinori

- Responda ou então...! Grita ele em resposta ao silêncio de Ahura ao mesmo tempo que se levanta e vai até ele

- Ou então o que?... Diz Ahura ainda calmo, sem se levantar e sem olhar para Akinori

PLAFT!

Akinori dá mais um tapa no rosto de Ahura, como todos os centenas de outros que ele deu durante anos, cheio de ódio e desaprovação, mas desta vez Ahura sorri, se levanta e olha para Akinori com desprezo...

- Como é capaz de me desafiar assim?! Grita Akinori furioso

Mas antes que ele pudesse fazer algo, Ahura leva uma das mãos até o pescoço de Akinori, empurrando-o em direção a uma das paredes da cabana, seus olhos azuis estavam fixos no olhar vazio de Akinori que ofegava.

- HAHAHAH!...vamos pirralho, se é isso que você quer faça, me mate, não tenha medo, mate, MATE!!! Grita ele

Ahura perde a razão, sua vida até aquele momento era a única coisa que se passava em sua mente, seu pai, aquele nome cujo dono ele desconhecia, Akinori e seus maltratos, a humilhação que ele aguentou por anos e anos sem poder reclamar, os trabalhos nojentos que ele tinha que fazer, tudo aquilo que destruiu seu coração, que o deixou podre por dentro, todo aquele ódio guardado em si, rapidamente Ahura puxa um punhal comprido que estava escondido na parte de tras de suas vestes e crava no estômago de Akinori perfurando um de seus orgãos vitais, Ahura sente o sangue quente de Akinori escorrer por suas mãos, passar por entre seus dedos e respingar no chão de areia, ele se afasta deixando o corpo de Akinori despencar imóvel no chão, o coração de Ahura dispara, ele se vira e em silêncio pega sua bolsa, abre a porta da cabana e olha para o céu, ele pega a espada que deixou na entrada e começa a caminhar, sem destino, com as mãos sujas de sangue e a alma cheia de ódio, a apenas uma frase saiu de sua boca naquele momento...

- Agora é sua vez, Mainyu...

Akinori estava imóvel, deitado sobre o próprio sangue, levantou a cabeça com dificuldade e olhou em direção a porta da cabana, mas não conseguiu ver Ahura, sua visão estava escurecendo, ele não conseguia se mover e ficou lá esperando a morte chegar para buscá-lo.

" Missão completada..." Pensou ele e segundos depois, morreu.




Anos depois...

Após matar Akinori, Ahura seguiu em direção a cidade mais próxima, Veins, e lá se instalou por algum tempo, dedicou os anos que se passaram a sua força, habilidades e desejos de vingança, tirava seu sustento de trabalhos que fazia, onde o pagamento era a única coisa que importava, aprendeu a lídar com os mais variados tipos de pessoas, viajou e se descobriu, preferiu não fazer amigos, sempre seguia sozinho, observando tudo a sua volta, aprendeu tudo sobre sua profissão, ainda seguindo os passos do pai que ele jamais esqueceu, Ahura se tornou lorde e continuou seu caminho, treinou muito, se viu várias vezes de frente com a morte, mas sobreviveu, tempos depois deu mais um passo em sua vida e se viu como cavaleiro rúnico, chegando várias vezes ao seu limite, Ahura já não era mais aquele garotinho de anos atrás, decidiu se instalar em Prontera, numa pequena estalagem no centro, mas devido aos muitos trabalhos que fazia, quase nunca estava por lá, nas poucas vezes que estava, buscava informações sobre seu pai, mas não tinha muito sucesso, era como se Toshio se escondesse dele ou pior, era como se estivesse morto, mas ele não queria pensar nisso, e em uma caminhada pelas ruas de Prontera em uma tarde quente, escutou algo que o deixaria ainda mais perto de seus objetivos, era uma pessoa que falava sozinha e andava distraidamente pela rua, e ao prestar atenção no que aquela pessoa dizia, Ahura conseguiu escutar claramento o nome...Angra Mainyu...

"Mainyu..." Pensa ele ao mesmo tempo que seu coração dispara, ele se vira rapidamente em direção a pessoa distraída que passava ainda falando sozinha

- Ei espere! Grita ele

A pessoa distraída se vira calmamente

- Sim? Pergunta sorrindo

Ahura segue em direção aquela pessoa, sua respiração fica forte, o sangue parece que começou a correr mais rápido em suas veias, ele tinha certeza do que acabara de escutar e mais uma vez a sua sede de vingança cresce, e a partir dali ele sabia que seus objetivos iriam ser conluídos.

Continua...
Voltar ao Topo Ir em baixo
Tibeto
Admin
Admin
avatar

Mensagens : 294
Data de inscrição : 04/04/2011

MensagemAssunto: Re: A jornada de Ahura Mazda...   Dom Maio 27, 2012 12:41 pm

proximo capitulo òÓ agora!!!

_________________
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário http://valorguild.forumeiros.com
isabellf
Classe 1
Classe 1
avatar

Mensagens : 78
Data de inscrição : 27/07/2011
Idade : 25

MensagemAssunto: Re: A jornada de Ahura Mazda...   Dom Maio 27, 2012 1:40 pm

Como eu sempre te digo estou esperando anciosa, espero tambem que não demore pra postar o proximo '-'.
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
Conteúdo patrocinado




MensagemAssunto: Re: A jornada de Ahura Mazda...   

Voltar ao Topo Ir em baixo
 
A jornada de Ahura Mazda...
Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo 
Página 1 de 1
 Tópicos similares
-
» 2º Jornada epistolar de 2014 - Tema Livre, com envelopes decorados por nós mesmos
» Uma Outra Jornada
» Controle de envio e recebimento da 1º jornada epistolar de 2015
» 2ª Jornada Epistolar - CONTROLE
» [FSX] Nome, uma longa jornada aérea

Permissão deste fórum:Você não pode responder aos tópicos neste fórum
 :: Fanfics/Contos-
Ir para: